img

TECNOLOGIA

Parceria entre Anatel e Receita Federal apreende 243,7 mil equipamentos irregulares de telecom

Publicado em 17/10/2020

Parceria entre Anatel e Receita Federal apreende 243,7 mil equipamentos irregulares de telecom

De julho a setembro de 2020, foram apreendidos 243,7 mil equipamentos irregulares de telecomunicações no Brasil, entre baterias, carregadores, TV boxes, smartwatches, conversores digitais com wi-fi e outros.


O número elevado de apreensões, na percepção dos especialistas da Anatel, é resultado de fiscalizações conjuntas com a Receita Federal realizadas de acordo com o Plano de Ação de Combate à Pirataria da Agência.

Segundo o superintendente de Fiscalização da Anatel, Igor Moreira, “o investimento na sinergia entre os órgãos de fiscalização, o que inclui a capacitação sobre as normas setoriais, tem propiciado um crescimento acelerado dos números observados. Somente nos três últimos meses, o número de produtos irregulares identificados nas aduanas já superou o número alcançado em todo o ano de 2019. Além da Receita Federal, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal também têm nos procurado com frequência para avaliarmos cargas desse tipo de produto.”

Para coibir ainda mais a importação irregular de produtos de telecomunicações, a Anatel tem capacitado agentes aduaneiros e auxiliado na avaliação de cargas nos centros de triagem e importação. Além disso, a Agência já recebeu parecer positivo, do Ministério da Economia, para sua inclusão no rol de órgãos anuentes do Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex).

O Superintendente de Outorga e Recursos à Prestação, Vinicius Caram, alerta que “a aquisição de equipamentos, pelos consumidores, de produtos que não foram certificados pela Anatel representa um grande risco de acidentes, como os já relatados pela imprensa recentemente. É importante a população observar que o objetivo do processo de certificação é estabelecer um grau mínimo de qualidade e adequação dos produtos, e que equipamentos que possam ter certificação estrangeira não necessariamente atendem requisitos adotados pelo país. Requisitos estes discutidos com indústria, fabricantes, fornecedores, prestadoras e sociedade, de forma que adotamos um modelo transparente e que não onera preços. Buscamos ao máximo a padronização e uniformização com outros países, respeitando ao máximo o mercado, produção e competição, além de preservar a indústria e o desenvolvimento nacional. Existem particularidades de cada país, como a voltagem e as próprias frequências dos sistemas de comunicação que são relevantes e devem ser considerados.”

Por exemplo, a certificação de aparelhos celulares ou smartphones e seus acessórios, como baterias e carregadores, pela Anatel é realizada após a comprovação de cumprimento de uma série de requisitos relacionados à proteção à saúde, como o limite da emissão de radiação não ionizante, à segurança, como a resistência contra superaquecimento e vazamentos tóxicos, e quanto à compatibilidade com a rede de telecomunicações do Brasil.

E equipamentos de rede, a exemplo dos roteadores, cabos óticos e cabos de pares metálicos, são avaliados quanto a sua característica construtiva para assegurar a qualidade das redes de telecomunicações. Produtos ofertados sem a prévia certificação e homologação da Anatel são frequentemente construídos com materiais de baixa qualidade ou mais baratos, o que afeta a velocidade de tráfego, prejudicando a conexão dos usuários aos serviços da Internet.








Projeto Ilha de Encantaria será transmitido ao vivo nesta quarta e quinta

28/10 | Cultura
A contação de histórias para crianças e adultos traz a Palhaçaria para reviver en-cantos de Florianópolis em transmissão ao vivo no Youtube da Traço Cia de Teatro.

Redação dissertativa: Como fazer uma dissertação em prosa?

27/10 | Comunidade
Digamos que você precisa realizar a produção de uma redação para um concurso ou vestibular.

Santa Catarina vacinou 169 mil crianças contra a paralisia infantil

27/10 | Geral
Santa Catarina vacinou, até o momento, cerca de 169 mil crianças contra a poliomielite, o que corresponde a 49,2% do público-alvo, que é de 342,8 mil crianças de 1 a menores de 5 anos de idade em todo o estado. No Brasil, cerca de 7 milhões de crianças ainda não foram vacinadas contra a paralisia infantil. Até o momento, da população-alvo estimada de 11,2 milhões, somente 4 milhões (20,31%) foram vacinadas contra a pólio.

Câmara Municipal de Florianópolis amplia tempo de validade de certidão emitidas para facilitar empreendedorismo

27/10 | Politica
Com as alterações aprovadas na tarde de segunda-feira (19) o prazo passa a ser de 60 dias. 

Semana da Dança UFSC será totalmente online e gratuita

27/10 | Cultura
Ampla programação, que ocorre de 16 a 22 de novembro, exibe espetáculos, oficinas, cursos, lives e imersões artísticas nas mídias digitais do projeto

Cerca de 7 milhões de crianças ainda não foram vacinadas contra a paralisia infantil

27/10 | Comunidade
A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite segue até 30 de outubro e tem como população-alvo estimada cerca de 11,2 milhões de crianças de 1 a menores de 5 anos