img

GERAL

Ginecologista fala da importância da prevenção e do diagnóstico precoce e indica sinais de alerta para a doença

Publicado em 15/10/2020

Ginecologista fala da importância da prevenção e do diagnóstico precoce e indica sinais de alerta para a doença

Quando a doença é descoberta nas fases iniciais, há maiores chances de cura mesmo com uso de tratamentos menos agressivos. 


O Outubro Rosa, que surgiu em 1990, em Nova York, tem o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da prevenção à doença, bem como levar informações importantes ao maior número de pessoas, o que se torna ainda mais necessário no momento atual, visto que 62% das mulheres esperam o fim da pandemia para voltar à rotina de cuidados com a saúde, segundo pesquisa realizada pelo Ibope.

De acordo com Estefanie Bertoldi, ginecologista e professora de medicina da Estácio de Jaraguá do Sul, o câncer de mama não é totalmente previsível. A doença resulta de alterações em diversos fatores, muitos dos quais ainda indefinidos. Ao mesmo tempo, são bastante conhecidos fatores de risco como a exposição a hormônios, o excesso de peso, a ausência de atividade física, a alta ingestão de gorduras e álcool entre outros.  “De modo geral, a prevenção baseia-se no controle dos fatores de risco e no estímulo a fatores protetores, especificamente aqueles que podem ser mudados com a adoção de hábitos saudáveis”, explica.

O exame preventivo é importante para que a mulher possa identificar o câncer antes dos sintomas se manifestarem e é recomendado pelo Ministério da Saúde que a partir dos 50 anos de idade elas realizem uma mamografia a cada dois anos, além do exame clínico realizado por um profissional da saúde.

Ainda segundo a professora, é necessário estar atenta ao sinais do corpo. “Vermelhidão, inchaços, calor ou dor na pele da mama, mesmo sem a presença de nódulos, espessamento ou retração da pele do mamilo, coceiras frequentes na mama ou no mamilo são algumas das alterações que podem ocorrer, tanto de forma simultânea, quanto de forma isolada. Mas é preciso ressaltar que nem sempre o aparecimento desses sinais indica um câncer de mama. Por isso é imprescindível consultar um médico”, ressaltou.

Porém, quando o diagnóstico é positivo, é importante saber que o suporte familiar e psicológico pode ser fundamental no tratamento. “O impacto psicológico causado pelo câncer de mama traz uma significativa repercussão na vida da paciente. Porém, quando esse momento é vivido com conhecimento e compreensão, além de apoio psicológico, torna-se possível o entendimento dos medos e angústias que podem interferir em uma resposta ao tratamento. É essencial o acompanhamento por uma equipe multidisciplinar”, explica  a médica.

Casos especiais

Mulheres que possuem um histórico familiar de câncer, fumantes, obesas, que não se alimentam de forma adequada e que consomem bebida alcoólica de forma abusiva devem dobrar a atenção e os cuidados.

Tratamento

O tratamento para o câncer de mama pode variar de acordo com cada paciente, com a fase da doença e também o tipo de tumor. São muitos os tratamentos que podem ser realizados, como cirurgia, radioterapia, quimioterapia, entre outros.

Suporte Psicológico

A paciente que passa por um tratamento de câncer precisa de um acolhimento especial da família, desde o momento em que recebe o diagnóstico. Além do suporte familiar, contar com a ajuda de um psicólogo ajuda a lidar com a doença com menos angústia e as chances de depressão diminuem.








Projeto Ilha de Encantaria será transmitido ao vivo nesta quarta e quinta

28/10 | Cultura
A contação de histórias para crianças e adultos traz a Palhaçaria para reviver en-cantos de Florianópolis em transmissão ao vivo no Youtube da Traço Cia de Teatro.

Redação dissertativa: Como fazer uma dissertação em prosa?

27/10 | Comunidade
Digamos que você precisa realizar a produção de uma redação para um concurso ou vestibular.

Santa Catarina vacinou 169 mil crianças contra a paralisia infantil

27/10 | Geral
Santa Catarina vacinou, até o momento, cerca de 169 mil crianças contra a poliomielite, o que corresponde a 49,2% do público-alvo, que é de 342,8 mil crianças de 1 a menores de 5 anos de idade em todo o estado. No Brasil, cerca de 7 milhões de crianças ainda não foram vacinadas contra a paralisia infantil. Até o momento, da população-alvo estimada de 11,2 milhões, somente 4 milhões (20,31%) foram vacinadas contra a pólio.

Câmara Municipal de Florianópolis amplia tempo de validade de certidão emitidas para facilitar empreendedorismo

27/10 | Politica
Com as alterações aprovadas na tarde de segunda-feira (19) o prazo passa a ser de 60 dias. 

Semana da Dança UFSC será totalmente online e gratuita

27/10 | Cultura
Ampla programação, que ocorre de 16 a 22 de novembro, exibe espetáculos, oficinas, cursos, lives e imersões artísticas nas mídias digitais do projeto

Cerca de 7 milhões de crianças ainda não foram vacinadas contra a paralisia infantil

27/10 | Comunidade
A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite segue até 30 de outubro e tem como população-alvo estimada cerca de 11,2 milhões de crianças de 1 a menores de 5 anos