img

Florianópolis, 20/04/2024




GERAL

Ana Maio faz palestra em Florianópolis

Publicado em 27/08/2018


Divulgação / Assessoria de Imprensa
Ana Maio faz palestra em Florianópolis

Ana Maio




Pesquisadora fala sobre cinema e artes visuais

O Programa de Pós-graduação de Artes Visuais (PPGAV), do Centro de Artes (Ceart) da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) ajuda a viabilizar a presença de Ana Maio em Florianópolis. Pesquisadora e artista visual que investiga as convergências entre o cinema – experimental e conceitual – e as artes visuais, ela aborda, principalmente, os temas arquivo e memória na arte contemporânea. Vinculada à Universidade Federal do Rio Grande (Furg), onde leciona disciplinas de cinema e vídeo, nesta quarta, dia 29, às 19h, no Museu da Imagem e do Som (MIS), em Florianópolis, ela faz a palestra Conversa Intraduzível. Gratuita, aberta ao público, a ação integra o projeto Intraduzível cuja exposição homônima se estende até 9 de setembro no MIS. O projeto tem o apoio da Arts Council England.

Ao reunir trabalhos realizados com diferentes colaboradores, Silvana Macêdo, artista e professora do PPGAV, conquistou o Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura 2017 com Intraduzível que propõe mostra com curadoria de Juliana Crispe, uma conversa de artista, visita mediada, o Festival de Vídeo 24h Arte & Meio Ambiente e a palestra com Ana Maio.

A exposição reúne trabalhos inéditos no Brasil criados por Silvana Macêdo em colaboração com a artista finlandesa Henna Asikainen, o astrofísico iraniano Reza Tavakol e o compositor Frederico Macêdo que trabalha na área de composição e, desde 2003, é professor do Departamento de Música da Udesc, onde coordena o Laboratório de Música e Tecnologia e ministra disciplinas nas áreas de música e tecnologia e metodologia científica.

A exposição permite conhecer trabalhos realizados no Reino Unido, onde Silvana Macêdo estudou na Northumbria University, Newcastle. Voltada aos multimeios, ela investiga a complexa relação entre arte, ciência e natureza. Nascida em Goiânia em 1966, moradora de Florianópolis desde 2004, onde atua como professora do Departamento de Artes Visuais da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina), ela pinta, grava e transita em pesquisa telepresença, tecnologias novas e antigas.

Os trabalhos que compõem a mostra são uma série de fotografias e as videoinstalações lab (2017), ar (2001-3), lua (2005-7), a videoinstalação sonora cooperari(2007), a instalação trabalho de campo (2017) e segredo (1998). Um dos elementos centrais destas obras, explica Silvana Macêdo, é a noção de tradução, compreendida mais como uma dinâmica ao invés de uma influência, pois tradução está na base mas não é o tema.

 As videoinstalações -  lab, ar, lua e cooperari - estão interligadas ao trabalho “tradutório” de cientistas e artistas. ar foi realizado a partir de duas residências artísticas no Parque Nacional de Koli, e na Reserva Ducke, uma estação de pesquisa do INPA (Instituto Nacional de Pesquisas Amazônicas),  em diálogo com investigações de pesquisadores de mudança climática nos hemisférios Norte e Sul. A experiência nas residências está refletida na instalação ar e trabalho de campo.

Já lua originou do encontro com o cosmólogo Reza Tavakol em 2004. As pesquisas de Tavakol cobrem um amplo espectro, da astrofísica à dinâmica não-linear, mas seu interesse nos aspectos estéticos da ciência é que encontraram ressonância na prática artística que explora a interface entre arte, ciência e natureza. lua reflete os modos como a humanidade se relaciona com a natureza, ora se volta para contemplação estética, romantiza sua relação com o mundo, ao mesmo tempo que atua constantemente como agente poluidor do ambiente.

Se as questões centrais de ar e lua refletem sobre o impacto humano nas florestas, no ar e na água, cooperari evidencia a dinâmica (dialética) entre a cultura e a natureza em outros níveis. Construído em colaboração com o compositor Frederico Macêdo, foca em insetos sociais e oferece um rico campo para se estudar como contextos culturais interferem na maneira como interpretamos o comportamento animal.

A presença dos invertebrados em segredo (1998) só pode ser percebida através de uma lente convexa, que revela o espaço miniaturizado de uma sala contendo diferentes espécimens: formigas, borboletas, coleópteros, vespas, abelhas, mariposas, etc. Quanto mais se aproxima o olhar, menos é possível de se ver com precisão os animais da inacessível coleção.









Shopping








Leia também ...



















Aqui tem mais notícias para você ler ...



Contribuia com apenas R$ 1,00 no PIX

Abra o APP de seu banco.


Mais lidas de hoje


Editorias
Geral
Cidades
Comunidade
Variedades
Tecnologia
Turismo
Esportes
Diversão
Politica
Musica
Regional
Marketing

Nossa rede
Unique TV
Unique Planalto Norte
Rádio Unique
Sport SC
Trip News
Tech Today
Jornal Trindade
Rádio C4 FM

Publicidade