img

ARTIGOS

O triunfo de Ti Ti Ti

Publicado em 28/02/2011

O triunfo de Ti Ti Ti

No final de 2009, quando a Rede Globo anunciou oficialmente estar produzindo um remake-fus?o das novelas Plumas e Paet?s e Ti Ti Ti para ocupar o horário das sete da emissora, o público torceu o bico. A releitura das obras do genial Cassiano Gabus Mendes, sucessos na primeira metade da década de 1980, foram para as m?os da experiente dramaturga Maria Adelaide Amaral com a dura miss?o de resgatar a audi?ncia em queda vertiginosa devido ?s grandes porcarias que vinham ilustrando o horário e com a tarefa de reconstruir os legendários estilistas Victor Valentim e Jacques Leclair e todas as minuciosas e importantíssimas tramas paralelas, marca registrada do gigante Cassiano.


 

Apesar da preconceituosa repulsa inicial, tão logo estreou, em julho de 2010, Ti Ti Ti triunfou, conquistando crítica e público. Sem meios termos, abriu as cortinas com ar de novelão. Tramas bem orquestradas e desenvolvidas, no melhor estilo folhetim, desenhando uma nova roupagem para antigos personagens que povoam o inconsciente de nossas predileções e fantasias. Isso sem falar na impecável direção de Jorge Fernando e na fotografia, figurinos e seleção de atores. Até a luz de cada cena parece ser milimetricamente calculada para adequar-se ao horário das sete, uma transição entre o movimento do dia e a preparação para a paz noturna. Mínimos detalhes para máximos resultados: uma matemática quase infalível.

Maria Adelaide Amaral, reconhecida por bons trabalhos na TV, revelou-se a grande dama da teledramaturgia de seu tempo. Com maestria, realocou as personagens, refez suas trajetórias, modernizou o discurso e marcou um golaço. Para aqueles que não conheciam as tramas, deixará a marca de uma excelente novela, instigando uma curiosidade histórica pelo trabalho de Cassiano Gabus Mendes. Às gerações que tiveram o prazer o assistir as obras na década de 1980, a autora deixa um sabor de incrível déjà vu, costurado com as linhas dos novos tempos. Um trabalho sensacional que consolidou o sucesso, abocanhou uma audiência crescente e chegou a desbancar, pela primeira vez na história recente, duas novelas das nove, o dito “horário nobre”.

Mas o triunfo de Ti Ti Ti passa diretamente pela qualidade de seu elenco. De experientes atores, laureados por veias dramáticas, cômicas ou até tragicômicas, a jovens tão belos quanto talentosos, a novela das sete produziu um feito notável: distribui equitativamente o protagonismo das tramas. Em tempos de amplo domínio de Narciso, que acha feio tudo que não é espelho, uma novela que faz de seus coadjuvantes os grandes protagonistas é digna não apenas de nota enciclopédica, mas de forte reverência ao conjunto da obra. Ou melhor, das obras.

Se a grande maioria já conhece a versatilidade que fazem de Murilo Benício o melhor ator de sua geração, fomos levados à lona pela habilidade de Caio Castro e Ísis Valverde, cuja trama rende um dos assuntos mais comentados da internet brasileira há meses. E se as apostas em nomes que sempre dão certo, como Christiane Torloni e Malu Mader, pareciam opções conservadoras, a ascensão plena e delicada do romance homossexual entre os personagens de André Arteche e Armando Babaioff, emoldurados pelas talentosas Cláudia Raia e Giulia Gam, cria uma “jurisprudência” para a temática na TV e prova que há espaço para todas as tribos nas telenovelas. É apenas uma questão de saber como conduzir as tramas.

Enquanto veteranas como Regina Braga e Nicette Bruno dão ar de plumas em participações especialíssimas, o jovem Rodrigo Lopéz, tal qual um paetê, reluz ao lado de uma Elizangela cada vez melhor. E se as décadas de profissão dão a Mauro Mendonça a dimensão exata de seu personagem, surge uma talentosa Guilhermina Guinle para acertar em cheio na construção de sua atormentada vilã. É exatamente a qualidade na mescla de tecidos tão díspares que faz de Ti Ti Ti um grande e inesquecível sucesso. Ainda assim, na mítica popular, Victor Valentim e Jacques Leclair permanecerão, para sempre, nos domínios de Luís Gustavo e Reginaldo Faria, tão brilhantes quanto insuperáveis nos idos anos de 1980.

Há equívocos em Ti Ti Ti? Há sim. Apesar de poucos, eles existem. O mais cruel deles é o erro de tom na interpretação de Alexandre Borges em seus personagens Jacques Leclair e André Spina. Enquanto André, o ator é perfeito, na medida ideal. Mas quando assume a face de Jacques, Alexandre Borges desequilibra e sobe um tom na interpretação, deixando o costureiro com cara de caricatura mal feita: nem é assertivo, nem tanto faz rir. E pastelão por pastelão, Cláudia Raia é prova inconteste de que é possível ser grandiloquente e teatral sem colocar em risco a comicidade televisiva. A atriz, mais bonita do que nunca, brilha absoluta ao dar vida à sua Jaqueline Maldonado.

No entanto, até as nuances mais desequilibradas de Jacques Leclair acabam fazendo parte do espetáculo. Ti Ti Ti é um folhetim que não tem nenhum compromisso com a realidade, com as pesquisas de opinião ou com o politicamente correto. É apenas uma novela. E, por isso, um retumbante sucesso. Uma lição que deve ser absorvida pela Rede Globo, que tem derrapado feio na escolha das tramas nos últimos cinco anos e vem dando demasiada atenção às pesquisas com uma minoria consultiva ultraconservadora. Na plateia, o público telespectador ainda é o soberano da crítica final. E no cerrar das cortinas, Ti Ti Ti merece todos os aplausos. De pé.


HELDER CALDEIRA*
Escritor, Colunista Político, Palestrante e Conferencista www.magnumpalestras.com.br ? heldercaldeira@estadao.com.br
*Autor dos livros ?Bravatas, Gravatas e Mamatas?, ?Pareidolia Política? e ?A Primeira Presidenta?, o primeiro livro publicado no Brasil sobre Dilma Rousseff, lançados pela Editora AlphaGrafics (www.agbook.com.br).





Inscrições gratuitas para 2ª edição da Corrida da Ponte em Florianópolis encerram neste domingo

03/12 | Geral
Corrida será realizada nos dias 11 e 12 de Dezembro, em Florianópolis.

Piloto catarinense Carlos Renaux disputa, em Interlagos, última etapa da Porsche Endurance Series

03/12 | Esportes
A última corrida da temporada ocorre sábado (4) no templo do automobilismo brasileiro, o Autódromo de Interlagos, em São Paulo.

Bairros da região continental de Florianópolis recebem a visita do Papai Noel

03/12 | Cidades
Durante 17 dias a população poderá acompanhar as atrações itinerantes nos bairros de Florianópolis

Corpo de jovem desaparecida é encontrado em praia de SC

03/12 | Geral
Amanda Albach, de 21 anos, estava desaparecida há 19 dias; O corpo da jovem foi encontrado na Praia do Sol, em Laguna.

Movimentação de carga no Porto de São Francisco cresce 25% em novembro

03/12 | Economia
Os dados foram divulgados pela autoridade portuária.


Fraiburgo dará início a colheita da Maçã

03/12 | Regional
Começa neste mês de dezembro uma das principais atrações turísticas de Fraiburgo. Com duração de cinco meses, a colheita da maçã atraí 10 mil pessoas e aumenta em mais de 50% a movimentação da economia local

Figueirense reativa categorias de base e inicia cadastramento de núcleos e escolinhas

03/12 | Esportes
Inicialmente serão reativadas as categorias Sub-15 e Sub-17.

Veículos adulterados são apreendidos pela Polícia Civil em São José

03/12 | Policia
Na quinta feira (2), a Divisão de Furtos e Roubos de Veículos da Diretoria Estadual de Investigações Criminais, apreendeu no bairro Ponta de Baixo, em São José, um veículo com sinais identificadores adulterados.

Estação Espacial realiza manobra para se desviar de lixo

03/12 | Mundo
Órbita da estação baixou 310 metros

Abertura do Natal da Virada reúne milhares de pessoas em Florianópolis

03/12 | Cidades
O evento foi realizado na noite desta quinta-feira, (2), no largo da Catedral Metropolitana da Capital.

Aeroporto de Florianópolis estreia rota inédita para Salvador neste fim de semana

03/12 | Turismo
É a primeira vez na história que o aeroporto da Capital catarinense tem uma ligação direta com o Nordeste.